Bispa Sonia: Aprendi a ser mãe com o Espírito Santo

A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

 

Em entrevista, Bispa Sonia Hernandes dividiu suas experiências como mãe e deixou alguns conselhos para os internautas. Acompanhe a seguir:

 

Não existe curso para ser mãe. Como você aprendeu?

 

A gente, muitas vezes, está mais preocupada com o que os outros vão pensar do que preocupada em ser mãe. Eu aprendi a ser mãe com o Espirito Santo! Aprendi a falar a Palavra, profetizar sobre eles, ensiná-los no caminho em que devem andar, e, até hoje, eles dão testemunho de que até minhas broncas eram bíblicas. Usei a Palavra de Deus para educá-los! A Bíblia é o melhor manual que uma mãe pode ter!

 

E em relação ao ambiente familiar? 

 

Quanto ao ambiente familiar, para que você tenha uma ideia, minha filha se casou, achando que eu e meu marido não brigávamos, porque ela não presenciava nossos momentos de discordância. Sempre fui muito amiga dos meus filhos. Nossos filhos sempre participaram de tudo. Estar com os nossos filhos sempre é muito bom. Eles sempre puderam contar conosco, sempre acreditamos neles, sempre os defendemos. Sempre souberam que não haveria limites para a gente sair para brigar por eles e que também o Senhor Jesus seria prioridade em nosso lar.

 

Você se considera uma mãe exigente?

 

A parte mais rígida da educação ficava com o Apóstolo. Mas fui uma mãe exigente, enérgica. Eu não aceitava chantagens emocionais e argumentos. Certa vez, um deles precisava de 0,1 para não ficar de recuperação, e eu deveria ir à escola para conversar com a professora, mas eu não fui e expliquei: “Você deveria ter pensado nisso antes, no primeiro bimestre, quando você tinha pouca matéria para estudar. A vida é assim: por 0,1, você pode perder o emprego; por 0,1, você não é o escolhido. Por 0,1, você vai perder suas férias, vai ficar estudando e vai ter que tirar uma nota bem alta”.

 

 

Hoje, você pensa diferente?

 

Para mim, 9 era uma nota razoável, 10 era uma meta. O resto não existia. Mas isso Deus também me ensinou, porque meu filho, com 13 anos, perdeu os dois rins e eu entendi que quem tira 9 e 10 passa de ano, assim como quem tira 5, ou 7, dependendo da média estipulada pela escola, passa de ano também

 

Hoje, eu entendo que ser o melhor aluno não significa que você será o melhor profissional, nem bem-sucedido. Comecei a tratar meus filhos de uma forma diferente nesta questão e parei de me torturar. Procurava identificar aquilo que eles tinham de virtudes e dons. Naquilo que eles não eram tão bons eu procurava ajudá-los, apoiá-los e incentivá-los a superar seus limites.

 

Qual é o ponto de equilíbrio?

 

O equilíbrio é buscar soluções, não iguais as que as “suas amigas” praticam, mas as que Deus tem para cada um de nós e de nossos filhos. Esse é o segredo! Quando você tem um filho, você não dá à luz um outro “eu”, você dá à luz um ser totalmente diferente.

 

E em relação aos valores espirituais?

 

Existem mulheres que sonham que suas filhas sejam modelos... Sonham com coisas que só têm no mundo, sabe? Inconscientemente, às vezes, a gente planta junto com o trigo uma semente diferente. Muitas vezes, em nome de uma liberdade, você leva sua filha para uma balada, mas não a leva para uma Marcha para Jesus e nem a inscreve para participar de um acampamento da igreja, nem muito menos fala com ela sobre as coisas de Deus.

 

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo

 

Até que ponto os pais são responsáveis pelo desinteresse dos filhos pelas questões espirituais? 

 

Eu não posso culpar os pais pelas escolhas de seus filhos. Davi era um homem segundo o coração de Deus e, nem por isso, seus filhos optaram por seguir o mesmo caminho de amar e seguir a Deus como ele. Alias, na família de Davi, havia muitos filhos “fora da igreja”, que faziam todos os tipos de barbaridades. Por exemplo, um irmão violentou a irmã; um filho tramou a morte de outro... Sem contar Absalão que queria usurpar o reinado do próprio pai. Realmente, ninguém é culpado pelas escolhas dos outros.

 

O que fazer para despertar nos filhos o interesse pelas Escrituras Sagradas?

 

Eu posso ajudar meu filho a escolher melhor, se mostrar para ele o quanto é bom. A Bispa Fernanda, minha filha, sempre fala que acordava ao som da minha oração, do louvor, da adoração, das Palavras que eu ficava ouvindo durante o dia por meio da Rádio Gospel FM.

 

No nosso caso, nossos filhos viram que nós realmente éramos felizes em toda e qualquer situação e também quiseram isso para ele. Nos tornamos referenciais. Este é o segredo. As nossas atitudes pregam muito mais do que nossas palavras e cobranças!

 

A imagem pode conter: 1 pessoa, óculos de sol e atividades ao ar livre

 

 

Redação iGospel